BLOG

Breve História

Por volta de 3 mil anos antes de Cristo existiram Sociedades Nômades, provenientes da Ásia Central; famílias montadas a cavalo percorriam toda a Eurásia e Oriente Médio. Registros mostram que desde crianças a adultos, essas comunidades montadas possuíam uma relação muito próxima e natural com o cavalo.

Sem o uso de ferramentas para domesticação e para a equitação, dominaram por pelo menos 2000 anos uma grande região da Europa. As vezes trazendo soluções, noutras grande terror para aqueles vilarejos à beira do rio que aguardava sazonalmente sua colheita.


Foi Homero, 500 aC que, percorrendo essas regiões registrou relatos dessas sociedades e criou o que conhecemos como Mito do Centauro. O declínio da Sociedades Nômades acontece devido ao avanço tecnológico das Sociedades Sedentárias, o desenvolvimento do muro, o domínio do cavalo, estribos, armas etc. Inclusive, de maneira bastante perigosa, as charretes, os tílburis, as carroças, a rédea, a sela e todos estes mecanismos que, no fundo, distanciavam o homem do cavalo.
Resumidamente: aquelas Sociedades Nômades deram origem à cultura oriental, mais conectadas à natureza, adeptas à meditação, ao chá, a contemplação do mundo, às artes milenares. Enquanto as Sociedades Sedentárias deram origem a nós, uma cultura mais imediatista, baseada na ferramenta e no distanciamento da natureza.
Conexão Através do Invinting


Supomos que aqueles homens que viajava em seus cavalos sem o uso de ferramentas, possuíam um conhecimento intuitivo do “funcionamento” do comportamento de um animal de fuga que permitisse criar um vínculo de confiança, uma conexão diferente, um estado de permanência com a espécie em seu estado natural. Considerando que ele, nômade, naquele momento, não tivesse contato com qualquer ferramenta que pudesse ajuda-lo como, sela, rédea, estribo, loro, barrigueira, guia, ferradura....etc.


No livro, dos mais importantes da história Homem/Cavalo, o autor Bjark Rink desenvolve um dos conceitos mais bonitos sobre os primeiros domadores de cavalos, as primeiras equitações, seu motivo e ambiente:

“Crianças nômades, ao manejarem mansas éguas de leite, desenvolveram brincadeiras de montas nos animais. Foco neles: lá está um menino esperto que monta numa égua e cai. Agora monta uma menina corajosa que também cai. A criançada zoa, mas a égua, com quem estão brincando, está se acostumando com a farra. De repente, vendo que é tudo uma grande brincadeira, a égua decide entrar no jogo e pára de se incomodar. Olha só, a égua está começando a andar por entre as barracas do acampamento nômade com uma criança em cima que a conduz para onde quer com uma corda na cabeça. Os adultos param os seus afazeres e olham para a cena rindo – essas crianças inventam cada uma! Nos dias seguintes, depois de tirar leite das éguas, as crianças-cavaleiros montam nas éguas mansas para conduzir a manada até o pasto. Os adultos, que estão por ali assistindo à traquinagem, acabam compreendendo que o impossível aconteceu naquele acampamento” (Desvendando o Enígma do Centauro – Bjark Rink, pg 37)

Nossa Proposta

Propomos um encontro com cavalos baseado em Bem Estar Animal e Método Invinting, num trabalho que proporciona conexão com esses animais e provém do argumento essencial praticado por nossos ancestrais de maneira natural, intuitiva e harmoniosa; Tudo dentro de um ambiente seguro e propício ao convívio com eles, desfrutando de sua sinergia e energia, sua calma e sinceridade, com toda a potência que o encontro com um animal deste porte pode nos proporcionar.


blog

Veja também

Contato

Erro: Campos obrigatórios
Informações de contato


WhatsApp: (19) 9 7100 7991
E-mail: darkomago@gmail.com