BLOG

Éguas e o Empoderamento Feminino

Uma Manada de Cavalos está baseada em estruturas matriarcais. São as éguas mais velhas e mais experientes que possuem autoridade de decisão, são conhecedoras do lugares com predadores, são apaziguadoras de conflitos internos, são as primeiras a se colocarem em riscos em prol da segurança da manada. Uma égua que tenha tido seu filho recentemente pode tornar-se guerreira em segundos, desafiar garanhões, lutar pela vida do filhote, afugentar tigres e leões. Ela mesma é capaz de adotar bebês de outras éguas que tenham perdido suas vidas durante o parto. São responsáveis pelo amálgama da manada, aceitando e expulsando garanhões com a intenção de manter a diferenciação genética do grupo. Possuem consciência de coletivo e sabem exatamente o que fazer para sua sobrevivência.

Garanhões protegem e procriam. Seu papel é essencial e importante, não existiriam manadas sem eles. Na natureza não existe maniqueísmo, mas estes machos estão num campo social dominado pela energia e hierarquia feminina.
Empowerment foi trazido `a luz pelo psicólogo norte-americano Julian Rappaport em 1977, com o significado de dar ferramentas para que grupos oprimidos tivessem condições e autonomias para se desenvolverem. No Brasil, Paulo Freire traça um neologismo onde a pessoa é quem encontra poder em si para vencer a opressão. Visivelmente não precisamos escolher exatamente um dos sentidos. Naturalmente criamos um sentido próprio para tal, considerando inclusive que o prefixo em da palavram empoderamento tem significado proximidade, introdução, movimento para dentro. Por isso tal distinção entre as línguas. Dar e Receber é uma troca de empoderamento em si.


Temos um exemplo poderoso na manada de cavalos onde a égua, a visão feminina, toma uma forma engrandecedora da sua responsabilidade sem qualquer uso de recursos de força, agressividade ou violência. Ela torna-se uma líder cooperativa, uma coordenadora forte e acolhedora, uma organizadora segura em prol da sobrevivência do coletivo e da manutenção de uma sociedade que corre riscos constantes no seu dia-a-dia. A natureza possui esta sabedoria intrínseca oferecendo uma força de sobrevivência a cada espécie; deu unidade `as abelhas e formigas, bússola `as baleias e golfinhos, um cônjuge a cada pinguim e para alguns coletivos a sabedoria Matriarcal.


Brasil, 2019, américa latina, cultura machista e recém escravocrata, atualmente numa tentativa de ascensão econômica. Neste ambiente é comum observar um cenário de dominação patriarcal, agressivo, dominado pela força, falocêntrica, yangs, para fora, vencedores, linhas retas, competitivos. Bater metas, destruir adversários, dar o sangue, lutar até a morte, são dispositivos motivacionais deste cenário másculo com testosteronas nas vitaminas. Pessoas delicadas, suaves, compreensivas, de olhar agregador tem mais dificuldades de emprego neste mercado.


No aspecto geral das nossas vidas as mulheres estão no mesmo campo semântico das éguas matriarcais, responsabilizam-se na criação, no desenvolvimento sócio-emocional dos filhos, provém a todo custo na ausência – ilegal – do pai, reconstroem famílias e criam um ambiente agregador mesmo não consanguíneo. Não obstante trazem a tona de grandes empreendimentos qualidades de liderança naturais para organizações preocupadas com o Devir Corporativo. Ou seja, carecemos de Energia Feminina no Mercado Corporativo.
Antes que me esqueça, isso não trata-se distinção de gêneros, mas de aspectos da qualidade feminina, quase sempre oprimida por uma cultura falocêntrica. Homens que conseguem desenvolver tais habilidades destacam-se enormemente.


blog

Veja também

Contato

Erro: Campos obrigatórios
Informações de contato


WhatsApp: (19) 9 7100 7991
E-mail: darkomago@gmail.com